sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Carta

Acredito que esta sera mais uma de
minhas cartas na sua coleção.
Sem importancia.
Após tanta frustração,
buscando algum sinal de afeto.
Desisto.
Ouço rumores de seu afeto
por mim.
Mas não acredito,
pois você nunca me dera oportunidade
provar quão meus sentimentos por ti
são, eram, reais.
Seu desapego me fere, e não posso mais
conviver com essas marcar em meu peito.
Separemo-nos.

(Jessy Beraldo)

terça-feira, 25 de agosto de 2009

De-lírio

Delírio
de um lírio
- Eu rio
Do lírio
Num rio
De-lírios

(Jessy Beraldo)

Ambigrama

*Ambigrama é uma representação gráfica de uma palavra que pode ser vista rotacionada ou invertida horizontalmente com a mesma fonética ou representação visual.


(preste atenção na assinatura que esta circulada)



( Jessy Beraldo )

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Ligação

Na calçada, sentada.
Fitando uma leve folha cai suavemente de sua arvore rumo ao chão gélido.
Um motociclista passa veloz neste instante. Mais á frente um bêbado ambulante desmaia no meio do asfalto duro e sujo. A sujeira não o incomoda, somente o fato de querer dormir.
O motociclista desvia com astucia, e chinga o homem ali deitado.
A folha termina seu percourso ate o solo e depois é levada por uma leve brisa de outono.
Na calçada, ainda sentada.
Percebo enfim um senhor juntando a pouca força que ainda o resta para se levantar e seguir seu rumo, rumo ao seu lar.
Perco-me em meus pensamentos, enquanto levanto e sigo para minha própria casa. Será que
se aquela pequena folha não tivesse caido, o motociclista não passaria por aquela rua e consequentemente não precisaria desviar do bêbado deitado no asfalto, ou seria mera coincidencia?! Estariamos todos envolvidos de algumas forma?
Ou Talvez eu esteja assistindo muito a televisão!


(Jessy Beraldo)

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Ah,Um Soneto...

Meu coração é um almirante louco
que abandonou a profissão do mar
e que a vai relembrando pouco a pouco
em casa a passear, a passear...

No movimento (eu mesmo me desloco
nesta cadeira, só de o imaginar)
o mar abandonado fica em foco
nos músculos cansados de parar.

Há saudades nas pernas e nos braços.
Há saudades no cérebro por fora.
Há grandes raivas feitas de cansaços.

Mas — esta é boa! — era do coração
que eu falava... e onde diabo estou eu agora
com almirante em vez de sensação? ...


-Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)