quinta-feira, 15 de julho de 2010

Um quadro, Minha prima e Casimiro

Hoje foi um dia diferente. Minha priminha veio passar o dia aqui em casa, foi divertido.
Fomos ao Museu, pense, o que uma menininha de 4 anos aprendeu no Museu? Não sei, mas ela ficou animada com a ideia. No entanto o que me intriga acontecera antes deste passeio.
Marianna olhou para as minhas tintas e pincés e pediu para que eu a ensinasse a pintar.
Eis a arte final...

Artista: Marianna(minha priminha) Obra: Eu, Mamãe e Papai


E enquanto estavamos "pintando o 7", peguei-me invejando a inocência dela. Crianças são serezinhos bem afortunados e não fazem ideia do que esse mundo perverso e traiçoeiro as aguarda trajando um terno anti-infantilidades.

Oh ! que saudades que eu tenho
Da aurora da minha vida,
Da minha infância querida
Que os anos não trazem mais !
(...)

E quando chegamo ao Museu, observar ela (Marianna) correr, pular, rodopiar foi - de fato- algo incrivel - eu amo aquela garota! - e ninguem lá, a julgava/censurava por isso. Recentemente fui a uma lachonete, e utilizei seu banheiro para lavar as mãos, uma moça ao meu lado me encarava por eu estar lavando a mão da maneira correta - não ligo para essas coisas, mas precisava me encarar por lavar a mão?.

Como são belos os dias
Do despontar da existência !
- Respira a alma inocência
Como perfumes a flor;
O mar é – lago sereno,
O céu – um manto azulado,
O mundo – um sonho dourado,
A vida – um hino d’amor !
(...)

Acho eu, que por ter uma misera experiência de vida, a Alma inocente da criança é uma dadiva, pela qual todos passamos, alguns esquecem e outros lamentam ela não ter volta.

Oh ! dias de minha infância !
Oh ! meu céu de primavera !
Que doce a vida não era
Nessa risonha manhã !
Em vez de mágoas de agora,
Eu tinha nessas delícias
De minha mãe as carícias
E beijos de minha irmã !
(...)
(Casimiro de Abreu)

-Jessy Beraldo

sexta-feira, 9 de julho de 2010

"Não há ninguém, mesmo sem cultura, que não se torne poeta quando o Amor toma conta dele."

-Platão